quarta-feira, 15 de julho de 2009

Camisinha só oferece proteção parcial contra herpes, diz estudo

Pois é, já está comprovado que a camisinha não é 100% eficaz contra a AIDS, agora esse estudo afirma que ela oferece somente 30% de proteção contra a Herpes.

Até quando as pessoas se deixarão enganar por esse pedacinho de borracha?




Camisinha só oferece proteção parcial contra herpes, diz estudo

Quem usa preservativo pode pegar doença em área exposta da pele.

No entanto, proteção ainda é 30% maior com a camisinha.

Usar camisinha sempre pode ajudar a impedir a transmissão da herpes genital - mas apenas parcialmente, afirma um estudo na revista especializada "Archives of Internal Medicine". Quem utiliza preservativo tem 30% menos chance de adquirir a doença, embora não esteja totalmente protegido.

"É o uso constante de camisinhas que é importante", afirma Emily T. Martin, da Universidade de Washington em Seattle (EUA). "30% é proteção parcial, mas ainda assim é proteção", diz ela.

A herpes genital é causada pelo vírus HSV-2 e pode levar a erupções dolorosas na região dos órgãos sexuais. O tratamento para impedir esses sintomas e para suprimir o vírus existe -- mas, uma vez infectada, a pessoa carregará o HSV-2 pelo resto da vida.

Martin e seus colegas compararam dados de seis diferentes estudos sobre a incidência do HSV-2, totalizando 5.384, para verificar o efeito do uso da camisinha sobre a prevenção. Desse total de pessoas, 415 tinham contraído a doença após um ano. Os pesquisadores verificaram que o sexo sem proteção favorecia a incidência do vírus, mas também viram que é possível ser infectado mesmo com preservativo, porque o contato da pele infectada com a pele sadia pode ocorrer em áreas que não estão cobertas pela camisinha.

Fonte: G1 - Ciência e Saúde

5 comentários:

Anônimo disse...

retardado mental.
cria vergonha na cara!
se num fosse pela camisinha, tava todo mundo fudido.
acho que vc deveria pensar mais antes de ficar falando merda que te falam na religião.
Se o papa mandar todo mundo pular da ponte, ai sempre vem um querendo provar que pular na ponte é legal...

Leonardo Campos disse...

Retardado mental anônimo, deveria estudar mais e parar de acreditar nas besteiras que te dizem a televisão. A Camisinha não é 100% eficaz contra a AIDS e contra coisa alguma. O Índice de AIDS no brasil só tem aumentado e o governo não revela o motivo. O número de aidéticos que morrem em função da doença tem diminuído por conta dos coquetéis de remédios, então o MS divulga que o número de mortos de aidéticos tem diminuido. Isso é verdade, mas causa uma falsa impressão de segurança omitindo a informação que o número de Aidéticos só tem aumentado. O município onde moro no RJ esta em estado de alerta. Será mesmo que todos esses não usaram camisinha? Pior cego é o que não quer ver.
VEja aqui:
http://manenabiscumdomine.blogspot.com/2008/12/camisinha-100-segura.html

A FDA (Orgão regulamentador de medicamentos do governo dos Estados unidos da América) publicou um documento que tem em seu conteúdo a seguinte frase:

”A maneira mais segura de evitar estas doenças (sexualmente transmissíveis) é não praticar o sexo (abstinência). Outra maneira é limitar o sexo a somente um parceiro que também se compromete a fazer o mesmo (monogamia). As camisinhas não são 100% seguras, mas se usadas devidamente, irão REDUZIR o risco de doenças sexualmente transmissíveis, inclusive AIDS.

A integra está em http://www.fda.gov/cdrh/consumer/condom-brochure.pdf

O Governo dos EUA tem testado as melhores formas de combate a Aids. Ele têm financiado o Brasil no uso da Camisinha e acompanhado os seus resultados. O mesmo têm feito na áfrica, onde constatou que os melhores números no combate a AIDS está em Uganda. Justamente neste Pais foi implantada um propaganda que presa pela fidelidade dos casais e se possível a castidade. Bem como a FDA já dizia.

Rodrigo disse...

Pois é caro Anonimo, você acusa os católicos de serem seguidores cegos do Papa, quando a própria doutrina católica diz que o fideísmo é pecado, ou seja, você age como milhões de pessoas ignorantes (até mesmo católicos!!) que criticam algo sem conhecê-lo.
Antes de enxergar o cisco nos olhos dos outros, enxergue a trave do seu olho, porque você sim é um alienado, pois o que os outros, seja imprensa, sejam amiguinhos do mal odiadores da Religião, falam você segue sem nenhum exame crítico.
O Leonardo já mostrou com vários fatos de que a camisinha além de imoral é ineficaz, ou seja, nem para "pecar com segurança" ela serve. Vale a pena ter um prazer efêmero em troca do risco de se ter um vírus pela vida inteira?

Luiz Henrique Corrêa Mortágua disse...

Leonardo e Rodrigo,

Obrigado pelas participações. Sinceramente, não tenho saco para responder esse tipo de "argumentos"...

Fica muito claro quem é o verdadeiro retardado mental.

Leonardo Campos disse...

Um dos maiores especialistas do mundo no combate à Aids diz: “O Papa está certo”

Reinaldo Azevedo | 28 Março 2009
Artigos - Ciência

Mas esse notícia foi devidamente sonegada dos leitores

Há coisas que você jamais vai ler na imprensa brasileira porque, dada a sua “isenção” de propaganda, às vezes letal para a inteligência e a verdade, pouco importa a consideração de uma autoridade científica ou religiosa se o que elas dizem não coincide com a metafísica politicamente correta. Aceita-se a chamada pluralidade, mas sem exageros, é claro. Querem ver?
Vocês se lembram que, em Camarões — e, de fato, foi uma mensagem para o continente africano —, o papa Bento 16 afirmou que a distribuição maciça de camisinhas não era o melhor programa de combate à AIDS. E disse que o problema poderia até se agravar. A estupidez militante logo entendeu, ou fingiu entender, que Sua Santidade contestara a eficiência do preservativo para barrar a transmissão do vírus. Bento 16 não tratava desse assunto, mas de coisa mais ampla. Referia-se a políticas públicas de combate à expansão da doença. Apanhou de todo lado. De todo mundo. No Brasil, noticiou-se a coisa com ares de escândalo. Os valentes nem mesmo investigaram os números no Brasil — a contaminação continua alta e EM ALTA em alguns grupos — e no mundo. Adiante.

Se você pesquisar um pouco, vai saber que o médico e antropólogo Edward Green (foto) é uma das maiores autoridades mundiais no estudo das formas de combate à expansão da AIDS. Ele é diretor do Projeto de Investigação e Prevenção da AIDS (APRP, na sigla em inglês), do Centro de Estudos sobre População e Desenvolvimento de Harvard. Pois bem. Green concedeu uma entrevista sobre o tema. E o que ele disse? O PAPA ESTÁ CERTO. AS EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS CONFIRMAM O QUE DIZ SUA SANTIDADE. Ora, como pode o papa estar certo? Vamos sonegar essa informação dos leitores.

Em entrevista aos sites National Review Online (NRO) e Ilsuodiario.net, Green afirma que as evidências que existem apontam que a distribuição em massa de camisinha não é eficiente para reduzir a contaminação na África. Na verdade, ao NRO, ele afirmou que não havia uma relação consistente entre tal política e a diminuição da contaminação. Ao Ilsuodiario, assumiu claramente a posição do papa — e, notem bem!, ele fala como cientista, como estudioso, não como religioso: “O que nós vemos de fato é uma associação entre o crescimento do uso da camisinha e um aumento da AIDS. Não sabemos todas as razões. Em parte, isso pode acontecer por causa do que chamamos ‘risco compensação” — literalmente, nas palavras dele ao NRO: “Quando alguém usa uma tecnologia de redução de risco, freqüentemente perde o benefício (dessa redução) correndo mais riscos do que aquele que não a usa”.

Pois é… Green também afirma que o chamado programa ABC — abstinência, fidelidade e, sim, camisinha (se necessário), que está em curso em Uganda — tem-se mostrado eficiente para diminuir a contaminação. E diz que o grande fator para a queda é a redução de parceiros sexuais. Que coisa, não?

NÃO É MESMO INCRÍVEL QUE SEXO MAIS RESPONSÁVEL CONTRIBUA PRA DIMINUIR OS CASOS DE CONTAMINAÇÃO? Pois é... Critico as campanhas de combate à aids no Brasil desde o Primeira Leitura, como sabem. E, aqui, desde o primeiro dia. Há textos às pencas no arquivo. A petralhada que se pensa cheia de veneno e picardia erótica gritava: “Você quer impor seu padrão religioso ao país...” Ou então: “Você não gosta de sexo...” Pois é. Vai ver Harvard escolheu um idiota católico e sexofóbico para dirigir o programa...

Bento 16 apanhou que deu gosto. E apanhou pelo que não disse — e ele jamais disse que a camisinha facilita a contaminação de um indivíduo em particular — e pelo que disse: a AIDS é, sim, uma doença associada ao comportamento de risco e, pois, às escolhas individuais. Sem que se mude esse comportamento, nada feito.

Pois é... O mundo moderno não aceita que as pessoas possam ter escolhas. Como já escrevi aqui certa feita, transformaram a camisinha numa nova ética. E, como tal, ela é de uma escandalosa ineficiência.